Empresas que fazem a diferença

3 razões para assistir ao nosso webinar “S de ESG: desafios e prática”

Negligenciado por ser um aspecto amplo e de difícil mensuração, o S de ESG (correspondente ao critério “social” da sigla, que abrange, também, os aspectos “ambiental” e “governança”) começa, enfim, a ganhar importância nas empresas. 

Impulsionadas pelos impactos da pandemia, que escancarou desigualdades e acelerou o chamado para ação, as organizações que ainda não investiam em aspectos sociais começaram a dar mais atenção a este ponto. 

Da mesma forma, negócios que já trabalhavam políticas de inclusão, diversidade e apoio à comunidade ganharam destaque, e suas histórias se tornaram inspiração e prova de que é, sim, possível, aliar lucro e propósito social. 

Pensando nisso, convidamos Salomão Cunha Lima, Head de Relações Institucionais no Instituto da Oportunidade Social, e Paloma Capanema, Gerente de ESG do Grupo Boticário, para uma conversa recheada de experiências e lições valiosas. Se você assistiu ao nosso webinar “S de ESG: desafios e prática”, é hora de recapitular os melhores momentos. Se você não assistiu, aqui estão 3 motivos para você fazer isso agora mesmo! 

1. Comece a enxergar o S de ESG como uma agenda de oportunidades

Reposicionar o olhar corporativo para atender às demandas da sociedade e dos investidores é desafiador. Especialmente quando falamos sobre a agenda social, ampla e múltipla. 

No entanto, e segundo pontuou o nosso convidado, Salomão Cunha Lima, no webinar “S de ESG: desafios e prática” a agenda do Social do ESG “é um tema que gera oportunidades, de expansão, visualização de novos mercados, cuidado com a cadeia de valor para que a empresa tenha sustentabilidade”.

O segredo para fazer dar certo? 

Salomão também nos aponta o caminho: “o mais importante é que essa agenda avance, seja por um evento, seja por uma mudança, pela estipulação de uma meta, de uma cota, (entenda meta como o olhar de onde queremos chegar) dentro desse elemento é super importante”.  

Quer dar o primeiro passo rumo a uma gestão pautada no S de ESG? Leia nosso artigo sobre o tema

2. Descubra como apostar no Investimento Social Estratégico alinhado à visão de negócios da empresa e à sua sustentabilidade

Sua empresa percebe a tendência crescente de atenção aos critérios ESG, mas não consegue “encaixá-la” na estratégia corporativa? É hora de redirecionar o olhar e apostar no Investimento Social Estratégico! 

E as dicas, neste caso, são duas: 

  • Olhar para o Social do ESG sob duas óticas (a interna e a externa);
  • Contar com o apoio de ferramentas e de profissionais que ajudam a direcionar as tomadas de decisão.

“O ESG veio para ficar como agenda consolidada. Quando olhamos para o S, temos grandes perspectivas, uma vez que ele está ligado ao aspecto interno da empresa (diversidade e inclusão, saúde mental, cadeia de valor, garantia à promoção dos direitos humanos) e externo (comunidades que fazem parte da cadeia, sociedade)”, resumiu Salomão. 

Nesse sentido, é necessário que as organizações enxerguem seu papel de mediador de uma transformação complexa e positiva. Por isso, reforça Paloma Capanema, é preciso agir com responsabilidade. “Como empresa, é preciso ter continuidade, consistência e frequência em tudo o que se faz, fala e promete. Senão as coisas não mudam“.

3. Compreenda o S de ESG como construção coletiva e contínua

Paloma contou, ao longo da nossa conversa, que, no Grupo Boticário, todo o time opera segundo a máxima “só vai estar bom para um quando estiver bom para todos”. Para ela, o pensamento em rede é o grande driver da mudança coletiva buscada na aplicação do S de ESG. “É o pensamento em rede de que eu não estou fazendo por assistencialismo, por filantropia (…) estou fazendo porque também é bom para o meu negócio”. 

Ações pontuais de Responsabilidade Social Empresarial, como doação e filantropia têm, é claro, o seu valor. Mas quando falamos em um relacionamento social transformador, falamos, necessariamente, em perenidade e continuidade. Auxílios filantrópicos são fundamentais no suporte a situações emergenciais, mas a transformação de realidades vem a partir da continuidade do relacionamento. 

E tem mais! A ideia de construção coletiva passa, também, pelo princípio de que qualquer um pode iniciar um movimento de impacto positivo na empresa

É o que reforça Salomão Lima, ao dizer que “quem está na empresa e que tem esse olhar pode começar de alguma forma: criando um grupo, criando a discussão, gerando debates, fazendo eventos, estipulando um fórum e até criando uma pesquisa interna de Diversidade e Inclusão para entender como os públicos da empresa estão se sentindo e como você pode enxergar essa demografia”.

Bônus: entenda a diversidade como um guia para a inovação! 

Durante a pandemia do coronavírus, a inovação deixou de ser um elemento diferencial nas empresas para se tornar uma obrigação para todos os negócios. A reinvenção de processos, dinâmicas e relações foi muito mais fluida para organizações que já investiam na diversidade como um driver para a criatividade. 

Além disso, segundo a McKinsey, há uma relação lógica entre diversidade e lucro — e isso tem tudo a ver com a afirmação que fizemos anteriormente. Empresas que estimulam a criatividade por meio da convivência de uma equipe com diversidade étnica e cultural tendem a performar até 35% melhor do que as concorrentes. Se você precisava de bons motivos para incorporar o S de ESG à sua empresa, agora os tem nas mãos!

E para entender mais sobre como o Grupo Boticário se consolidou como uma referência no tema e ouvir as dicas e relatos de um expert em Diversidade e Inclusão, assista ao nosso webinar “S de ESG: desafios e prática”, disponível gratuitamente aqui!

Share via
Copy link
Powered by Social Snap
Close Bitnami banner
Bitnami